LGPD
LGPD e o impacto para as organizações: sanções começam em agosto
30/03/2021
Inovação no modelo de gestão empresarial
09/04/2021
Exibir tudo

Governança empresarial é primordial para operações de Fusão e Aquisição

Governança

Como todos os setores da economia foram afetados pela pandemia da Covid-19 — em maior ou menor grau —, as empresas tiveram que alterar seu modelo de negócio e se abrir para novas possibilidades.

 

Hoje, por exemplo, grande parte das organizações têm uma fatia maior de resultados nas vendas por e-commerce ou marktplace, profissionais têm investido em lives e lançamentos de produtos digitais. Com as operações de M&A não seria diferente: também houve impacto.

 

O cenário de M&A no Brasil

Antes de mais nada, vale lembrar o conceito de M&A e o mercado no Brasil. Mergens and Aquisitions (M&A) significa, em português, Fusões e Aquisições (F&A). É o termo que representa as operações de união entre empresas.

 

No Brasil, esse tipo de negociação vinha crescendo nos últimos anos por vários motivos: estratégia de mercado, desejo de expansão, redução de concorrência e/ou diversidade de investimentos.

 

Em 2018, para se ter ideia, o número de fusões e aquisições cresceu 28% no Brasil e atingiu R$ 177,2 bilhões. E as previsões feitas em 2019 eram que as operações só iriam crescer até 2021.

 

A pandemia da Covid-19, no entanto, trouxe impactos para os negócios e operações de M&A e alterou essas previsões. Houve paralisação, adiamento e até mesmo cancelamento das transações. Só que esse “novo” cenário durou pouco tempo.

 

Demanda por fusões e aquisições volta a crescer

 

Levantamento feito pela consultoria e auditoria PwC Brasil mostra que o número de fusões e aquisições no País bateu recorde de janeiro a novembro de 2020, chegando a 909 transações. No período, a quantidade de negócios fechados foi 42% superior à média do mesmo período dos últimos cinco anos e aumento de 14% em relação aos 11 primeiros meses do ano anterior.

 

No entanto, Pádua Teixeira, presidente da PKT Desenvolvimento Empresarial, faz o alerta de que esse montante precisa ser visto sob uma outra ótica. “Houve três meses de paralisação quase que total no País em 2020, então podemos dizer que foi um ano de 9 meses. Se considerarmos esses 9 meses de atividades — e não de janeiro a dezembro —, houve recorde de operações de M&A. E 2021 certamente será ainda melhor.”

 

Momento propício para fusões e aquisições

A previsão otimista é que as operações de M&A ganhem ainda mais fôlego em 2021, fazendo com que o momento seja propício para as empresas que querem passar por esse processo. Esse é um caminho seguro, inclusive, para permitir o crescimento ou a sobrevivência de muitas companhias — sejam elas médias ou grandes.

 

Mas, para que se efetivem, há uma jornada complexa, com análise e planejamento de aspectos financeiros, tributários, documental, entre muitos outros. Segundo Pádua, para se estruturar um processo de fusão ou aquisição, é fundamental que as empresas estejam organizadas. “Aqui, a governança corporativa é decisiva para o sucesso dessas operações”, reforça.

 

Como a PKT contribui para a governança das empresas

Se você está se perguntando por onde começar, saiba que é possível contar com parceiros estratégicos para alcançar seu objetivo, seja ele a fusão ou aquisição. Ter como aliada uma organização como a PKT é ser beneficiado pela sua experiência em auxiliar empresas familiares na estruturação da gestão e da governança de seus negócios.

 

Para entender como funciona na prática, a PKT desenvolve um conjunto de regras de relacionamento, do patrimônio pessoal dos seus membros e da gestão das empresas. Isso tudo por meio de um pacto societário, cujo objetivo é estabelecer regras para administrar os conflitos de interesse e agregar valor ao patrimônio.

 

Para o processo de M&A, é feito ainda um diagnóstico e são levantados todos os pré-requisitos que valorizam a empresa. “Entre os pontos considerados estão os ativos da empresa, a carteira de clientes, a vigência de contratos, a vulnerabilidade que ela tem frente a um novo comprador, a gestão de pessoas, entre outros”, diz Pádua.

 

Ou seja, a análise para a Fusão & Aquisição vai muito além do resultado e da receita líquida. “É importante ter isso em mente. Imagine o caso de uma instituição que tem ótima receita, mas 70% de suas vendas são originadas de um contrato que termina em dois meses, por exemplo. Isso faz com que ela perca valor em uma negociação. O contrário também pode ocorrer: empresas com baixo resultado, mas que fecharam um grande contrato para começar a vigorar em breve. Assim, os resultados dos próximos meses devem ser muito bons”, reforça o presidente da PKT.

 

Após esse diagnóstico, a PKT define os pontos que precisam ser desenvolvidos para que a organização tenha melhor valor no mercado. Ela também realiza o valuation (avaliação) da empresa, para saber quanto realmente ela vale. “Podemos dizer que hoje 99% dos proprietários de empresas de porte médio não sabem quanto ela vale. Mas, para comercializá-la, isso é importante, porque quem vai comprar fará a valuation também”, orienta Pádua.

 

Na sequência, a PKT Desenvolvimento Empresarial assessora todo o processo de fusão e aquisição, desde a parte jurídica até a parte documental. É o chamado turnkey, que significa chave na mão: o gestor não precisa mais se preocupar com o projeto e com o planejamento.

 

Se você quer avaliar se sua empresa está pronta para um processo de fusão ou aquisição, bem como focar em governança para que o valor de mercado dela seja maior, fale com nossos especialistas!